Daniele De Rossi explica a diferença entre o 'pé frio Messi' e o 'herói dos penáltis'

Antigo futebolista elogia avançado do Barcelona em entrevista a jornal argentino

• Foto: Reuters

O antigo futebolista Daniele De Rossi não poupou nos elogios a Lionel Messi, afirmando que partilhar o relvado com o avançado do Barcelona é motivo de "orgulho" e uma "motivação" acrescida para os adversário: "roubar a bola a Messi tem um sabor diferente de roubar a um burro qualquer", afirmou em entrevista ao jornal argentino 'La Nación, onde deixa bem clara a sua admiração pelo craque do Barça e da seleção alviceleste.

"Messi não vale. E excluímos também o Maradona. Eles não praticam o mesmo desporto do que nós", refere De Rossi logo para começo de conversa, quando questionado sobre quais os seus jogadores argentinos preferidos.

"Sempre gostei da forma de jogar de Riquelme, era um génio do futebol mundial. Outro médio que admirei foi Redondo, era um incrível poeta... E outro foi o Verón", diz, apontado ainda outro nome: "E há um jogador que está no seu auge, o Dí Maria é um jogador de quem sempre gostei. Tem cara de ser uma boa pessoa", afirmou.

Mas inevitavelmente a conversa foi novamente parar a Messi: "Ele habituou-se, nos últimos 15 anos, a jogar contra pessoas que vivem só para demonstrar que podem partilhar o mesmo campo do que ele. E para tal tem de ter uma grande fortaleza mental. Futebolisticamente não há mais nada a explicar. Há outros jogadores muito bons, como Ronaldo, que pode ser comparável nos números, nos golos e nos troféus, mas depois há a questão do prazer, e a mim dá-me gosto ver o Messi", afirmou.

"Se contar em Itália que na Argentina chamam Messi de 'pé frio', eles riem-se, não entendem", disse quanto ao facto de na Argentina o avançado do Barcelona ser muitas vezes criticados pelas suas exibições ao serviço da seleção argentina. "Chamam de pé frio àquele que marcou mais de 1000 golos na carreira! Ele perdeu duas finais da Copa América nos penáltis, e eu sou campeão mundial nos penáltis ...Ele ele um pé-frio e eu sou um herói, porque juntamente com os meus companheiros de equipa venci o Mundial de 2006 ... E qual é a diferença? 5 centímetros. Não, não pode ser. Lembrem-se de que muitas vezes é ele quem carrega toda a equipa às costas."

Por Marta Correia Azevedo
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0