Record

Alerta máximo: "Perigoso" adepto do Boca apanhado no aeroporto de Madrid e expulso

Polícia espanhola dá conta da ocorrência e lembra que "futebol não é violência"

River e Boca vão encontrar-se domingo mas num contexto... nunca dantes visto. Serão mais de 2 mil polícias espanhóis destacados, além de cerca de 1.400 agentes da Unidade de Intervenção e 20 spotters vindos da Argentina que controlarão 800 elementos das Barras Bravas proibidos de ver o jogo. Para já, a polícia espanhola informou que expulsou de Espanha um "dos mais significativos e perigosos" cabecilhas da claque do Boca Juniors com "numerosos antecedentes" criminais.

A polícia acrescenta que o adepto em causa "foi devolvido à Argentina" e lembrou que "futebol não é violência".

No domingo, a operação denominada CABA (Cidade Autónoma de Buenos Aires) arrancará às 9 da manhã e só será dada como concluída na madrugada de segunda-feira.

Até lá, os adeptos de River e Boca chegarão a Madrid em voos charters com três horas de diferença e, desde o aeroporto, serão conduzidos de autocarro até aos locais de concentração de cada grupo, separados por 10 quilómetros. Isto além de uma vigilância apertada por ar (helicópteros), terra e até... no subsolo (previstos especialistas em túneis e esgotos).

Os dois clubes chegaram ontem a Madrid e já preparam o clássico com segurança. Enquanto Boca irá treinar-se nas instalações da Federação Espanhola de Futebol, o River prepara a partida em Valdebebas, o centro de treinos do Real Madrid.

As autoridades estão alertadas para outro perigo: trata-se da claque do Rayo, que tem boas relações com a claque do River e pode criar distúrbios na zona do Boca. De resto, o equipamento do Rayo até se baseou no do River.
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Internacional

Notícias

Notícias Mais Vistas