«Não me parece que constitua risco»: Graça Freitas contraria opinião da OMS sobre cumprimentos com cotovelos

Diretora-Geral da Saúde considera que cumprimento que se popularizou não representa risco por ser "rápido"

• Foto: EPA

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, reagiu esta segunda-feira à opinião da OMS sobre os cumprimentos com o cotovelo. 

Ao contrário do que diz Tedros Adhanom, responsável máximo da organização, Graça Freitas defende que por ser um cumprimento rápido não "representa risco".

"Não me parece que constitua risco", afirmou a diretora-geral da saúde justificando que é um cumprimento que tem a sua "lateralidade" e um contacto de alto risco implica um confronto face a face. 

Recorde-se que a Organização Mundial de Saúde alertou este domingo para o risco de contágio dos cumprimentos com os cotovelos. "As cotoveladas colocam-nos a menos de um metro de distância da outra pessoa", alertou Tedros Adhanom, responsável máximo da organização. 

"O toque de cotovelo é uma saudação de mau gosto, anti-higiénica, que não cumpre as normas sobre o distanciamento", afirmou Tedros justificando que este cumprimento, que se popularizou ao longo da pandemia, não cumpre as regras de distanciamento e não é, por isso, seguro. 

Por Correio da Manhã
5
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.