António Costa avisa que “não vai ser um ano letivo sem problemas” e pede "precaução"

Primeiro-ministro considera que não é possível "continuar a pagar o preço de ter a escola encerrada"

António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa

António Costa considera não ser mais possível manter as escolas encerradas devido à pandemia, pelo que defende ser premente este regresso às aulas presenciais previsto para o novo ano letivo. Todavia, o primeiro-ministro não esconde que será um ano letivo difícil e com "problemas". 

No início da semana que marca o arranque do novo ano letivo (2020-21), o primeiro-ministro esteve, junto com o ministro da Educação, na Escola Secundária de Benavente para, apesar das dificuldades, sinalizar "confiança" na capacidade de escolas, professores, alunos e respetivas famílias para garantir que a necessária aprendizagem poderá prosseguir da melhor forma possível. 

"Não podemos continuar a pagar o preço de ter a escola encerrada, não podemos continuar a pagar o preço da desigualdade que gera a ausência do ensino presencial, nós não podemos pagar o preço para as gerações futuras de sacrificar os seus processos de aprendizagem", declarou o também secretário-geral socialista lembrando que se a suspensão das aulas presenciais decretada com a chegada da pandemia a Portugal "foi muito importante para conter a pandemia" mas "causou [um] prejuízo muito grave no processo de aprendizagem de alunos e alunas"

De seguida admitiu que este "não vai ser um ano letivo sem problemas" pois "este ano há um risco novo". Como tal, apesar das "boas razões para encarar com confiança a abertura deste ano letivo", António Costa defendeu que tal "confiança não prescinde da precaução". Para o líder do Executivo socialista, o regresso às aulas presenciais dos 11.º e 12.º anos de escolaridade nas últimas semanas do ano letivo consistiu num "importante ensaio" para o que aí vem.

É que sendo certo que "a escola, em si, não transmite o vírus a ninguém", o "sentido de precaução é fudnemtnal" e isso passa por respeitar as regras sanitárias como o uso da máscara, a lavagem regular das mãos ou o respeito pelo distanciamento social. Essa precaução é determinante tanto "dentro da escola como fora da escola", acrescentou o primeiro-ministro numa tentativa de dissuasão de comportamentos de risco por parte dos mais jovens. Recorde-se que a partir desta terça-feira, e muito devido ao regresso às aulas, assim como dada a ameaça de uma potencial segunda vaga da pandemia, o conjunto do país passa para uma situação de contingência com ajuntamentos limitados a um máximo de 10 pessoas. 

E dirigindo-se à comunidade escolar, Costa antecipou que este será "seguramente o ano letivo mais diferente das vossas vidas" e disse esperar que o novo ano letivo possa também ficar nas memórias como "o mais bem sucedido e em que foi possível superar as maiores dificuldades de sempre" observadas no arranque de um ano escolar.

Além do "esforço" do Governo para reforçar o corpo docente, António Costa adiantou que, "ainda esta semana, será anunciada contratação de mais assistentes operacionais" para melhorar a capacidade de resposta das escolas à crise pandémica.

Por Correio da Manhã
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Fora de Campo

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.